BC.GAMEReivindique 5BTC Agora

  • Rainbet

Visão Geral Da Regulação De Cripto Nos Países Escandinavos

Visão Geral Da Regulação De Cripto Nos Países Escandinavos
BC.GAMEBCGAME - O melhor cassino, bônus diário grátis de 5BTC!BC.GAME Bônus diário grátis de 5BTC !
Cadastre-se agora

O setor das criptomoedas, ainda considerado emergente e inovador, carece de uma regulamentação abrangente e uniforme, especialmente nos países escandinavos como Dinamarca, Noruega e Suécia. As políticas e normas que regem as criptomoedas nesses países refletem a situação global: são fragmentadas e, em muitos aspectos, ausentes, variando significativamente de um país para o outro.

Este documento apresenta um panorama sobre as regulamentações vigentes para criptomoedas na Escandinávia, especificamente na Dinamarca, Noruega e Suécia. Aborda questões pertinentes como a legalidade das criptomoedas na região, a possibilidade de adquiri-las na Dinamarca, a tributação desses ativos na Suécia, entre outros tópicos relevantes para investidores e entidades que operam com criptomoedas nesses países.

Regulamentações de criptomoeda na Dinamarca

Localizada ao sul da Escandinávia, fazendo fronteira com a Alemanha e conectada à Suécia pela ponte de Öresund, a Dinamarca tem cerca de 6 milhões de habitantes. O país é conhecido por sua economia avançada, alto PIB per capita, inovação científica e tecnológica, além de ser um berço para startups, incluindo a OpenLedger e a Nordic Blockchain Alliance.

A criptomoeda é regulamentada na Dinamarca?

Na Dinamarca, as criptomoedas ainda não são regulamentadas e não são reconhecidas como moeda oficial. Contudo, as autoridades dinamarquesas aceitam transações realizadas com criptomoedas. Em 2021, o Danske Bank, maior instituição financeira do país, anunciou que não forneceria serviços relacionados a criptomoedas, mas também não obstruiria operações realizadas através de exchanges de criptomoedas.

A Autoridade de Supervisão Financeira da Dinamarca indica que, geralmente, o uso de criptomoedas para pagamentos não está sob sua regulamentação. Porém, regulamentações existentes sobre segurança podem ser aplicáveis a ofertas iniciais de moedas (ICOs), especialmente quando estas têm características semelhantes às de ofertas públicas iniciais (IPOs). Além disso, a lei de combate à lavagem de dinheiro do país foi atualizada em 2020 para incluir as moedas digitais.

As criptomoedas são tributáveis na Dinamarca?

No território dinamarquês, as criptomoedas são tratadas como propriedade pessoal, sujeitas a imposto de renda em vez de imposto sobre ganhos de capital. A taxa efetiva de imposto de renda para o cidadão médio na Dinamarca é levemente superior a 35%, variando de acordo com a localização e circunstâncias individuais.

Em março de 2023, o Supremo Tribunal Dinamarquês decidiu em dois casos acerca da tributação de vendas de Bitcoin (BTC), um relacionado a investimentos destinados à revenda e outro a receitas de mineração.

Nos dois casos, foi determinado que as atividades configuravam operações comerciais, sendo, portanto, passíveis de tributação nessa categoria. A Autoridade Tributária da Dinamarca também estabeleceu que perdas com criptomoedas não podem ser declaradas como prejuízos comerciais, e empresas do setor não têm permissão para deduzir tais perdas, uma vez que suas operações centram-se exclusivamente em criptomoedas.

Regulamentações de Criptomoedas na Noruega

A Noruega, com sua paisagem montanhosa e uma população que ultrapassa os 5 milhões, destaca-se como um dos países com maior renda per capita do mundo. Assim como na Dinamarca, na Noruega, as criptomoedas são reconhecidas como ativos, sendo legal sua utilização em transações financeiras.

O país é sede de diversas startups focadas em tecnologia blockchain, como a IdeaSoft e a BitSpace, evidenciando seu ambiente acolhedor para o setor de criptomoedas. Contudo, a pergunta que surge é: as criptomoedas são regulamentadas na Noruega? A resposta é que o país não tem legislação específica que regule diretamente as criptomoedas, permitindo assim a compra, venda e negociação desses ativos digitais. As criptomoedas não são consideradas moeda oficial, porém são aceitas como meio de pagamento, sendo classificadas como um tipo de ativo, e não como dinheiro.

Em 2018, o Ministério das Finanças da Noruega implementou regulamentações voltadas ao combate à lavagem de dinheiro que incluem operações com criptomoedas. Tais normas exigem que exchanges de criptomoedas e provedores de serviços de custódia se registrem junto à Autoridade de Supervisão Financeira da Noruega (Finanstilsynet), aderindo às diretrizes de combate à lavagem de dinheiro.

Em maio de 2023, o banco central norueguês, Norges Bank, sugeriu que o país desenvolvesse sua própria abordagem regulatória para criptomoedas, considerando que a futura regulação da União Europeia sobre os Mercados de Criptoativos (MiCA) poderia não ser totalmente adequada para o contexto nacional.

A Noruega demonstra uma postura positiva em relação às criptomoedas, sendo um dos primeiros países a iniciar estudos sobre a criação de uma moeda digital de banco central (CBDC) em 2016. Até 2023, o Norges Bank prossegue com testes para implementar uma versão governamental de moeda digital baseada em blockchain.

Tributação de Criptomoedas na Noruega

No âmbito fiscal, a Noruega enquadra as criptomoedas como ativos de capital, o que significa que os lucros obtidos com a venda desses ativos são considerados ganhos de capital. Apesar de o país não possuir um imposto específico sobre ganhos de capital, os rendimentos provenientes da venda de criptomoedas estão sujeitos à legislação tributária geral sobre o rendimento, com uma taxa fixa de 22% para faixas de rendimento mais baixas, havendo alíquotas progressivas para rendas maiores.

Regulamentações de Criptomoedas na Suécia

A Suécia, vizinha da Noruega, Finlândia e ligada à Dinamarca por uma ponte, possui a nona maior população da União Europeia, superando os 10 milhões de habitantes. Este país é reconhecido por sua prosperidade, sendo o sétimo mais rico do mundo, com um setor de tecnologia da informação consolidado e uma economia marcada pela engenharia e telecomunicações. O país é lar de empresas inovadoras no setor de criptomoedas, como a Safello, OpenGeeksLab, ChromaWay, além da iniciativa Nordic Fund Ledger, mostrando seu comprometimento com o avanço da tecnologia blockchain e das criptomoedas.

Leia também:   O que é GeckoTerminal App e Como funciona?

Regulamentações de Criptomoedas na Suécia

Na Suécia, assim como em outros países escandinavos, as criptomoedas ainda não são reguladas por um conjunto específico de leis. Apesar de não serem reconhecidas como moeda de curso legal, as transações utilizando criptomoedas são permitidas, bem como a sua compra, venda ou troca.

Tanto a Autoridade de Supervisão Financeira Sueca quanto o banco central do país, o Sveriges Riksbank, reconheceram oficialmente a legalidade do Bitcoin, embora não o considerem uma moeda oficial ou um meio de pagamento legal. A supervisão do setor financeiro, incluindo o setor de criptomoedas, é exercida pela Autoridade de Supervisão Financeira Sueca e pela Agência Sueca de Proteção de Dados.

Empresas que operam com criptomoedas na Suécia devem atender a certos requisitos de registro e aderir à legislação sueca sobre serviços de câmbio, que estabelece a necessidade de instituições financeiras específicas cumprirem as diretrizes de prevenção à lavagem de dinheiro (AML).

Com a implementação do Regulamento dos Mercados de Criptoativos (MiCA) pela União Europeia em 2024, as normas destinadas a proteger consumidores e entidades operacionais de criptomoedas também serão aplicáveis na Suécia. A mineração de Bitcoin enfrenta críticas no país devido ao seu extenso consumo de energia, e em junho de 2022, o Sveriges Riksbank propôs a proibição completa dessa atividade.

No entanto, o Riksbank está na vanguarda do desenvolvimento de uma Moeda Digital do Banco Central (CBDC), com a e-krona sueca alcançando a fase técnica de preparação para sua integração ao sistema financeiro em 2022.

Tributação de Criptomoedas na Suécia

A tributação de transações envolvendo criptomoedas varia conforme o tipo de operação na Suécia. Lucros obtidos na venda de criptomoedas estão sujeitos a um imposto sobre ganhos de capital de 30%, enquanto é permitido deduzir 70% das perdas nessas operações dos lucros. Rendimentos gerados a partir de criptomoedas são tributados como renda, com alíquotas em torno de 30%.

Ganhos obtidos por meio de Staking ou empréstimos de criptomoedas estão sujeitos a um imposto de renda de juros de 30%, permitindo-se a dedução de 70% das perdas.

Visão Geral Da Regulação De Cripto Nos Países Escandinavos

Aquisição de Criptomoedas na Dinamarca, Noruega e Suécia

É plenamente legal adquirir, vender e negociar criptomoedas na Dinamarca, Noruega e Suécia. Apesar da ausência de regulamentações específicas para criptomoedas, não há restrições ao seu uso. Entre as exchanges de criptomoedas populares nesses países escandinavos estão eToro, Bybit, Bitpanda e Binance.

Investidores interessados em criptomoedas nesses países podem seguir os passos abaixo:

1. Escolher uma exchange de criptomoedas que ofereça a moeda desejada.
2. Registrar-se na plataforma ou acessar uma conta já existente.
3. Realizar o depósito para financiar a compra.
4. Efetuar a transação de compra da criptomoeda escolhida.
5. Assegurar que os saldos de criptomoedas sejam armazenados de maneira segura.

Impacto do MiCA na Dinamarca, Suécia e Noruega

A implementação do Regulamento sobre Mercados de Criptoativos (MiCA) pela União Europeia, prevista para 2024, irá influenciar significativamente o panorama das criptomoedas na Escandinávia. O MiCA, que alinha-se às normativas da UE para a negociação de valores mobiliários, tem como objetivo regular entidades que introduzem novas criptomoedas e oferecem serviços relacionados a estes ativos.

Este regulamento estabelece critérios específicos para a elaboração e divulgação de white papers, além de normas para o lançamento de novas moedas e stablecoins, visando a proteção dos consumidores. O MiCA também propõe medidas para prevenir práticas abusivas no mercado de criptomoedas, incluindo o uso indevido de informações privilegiadas, reforçando a segurança jurídica e potencializando uma adoção mais ampla dessas tecnologias.

Ademais, a Força-Tarefa de Ação Financeira (FATF) sugere que os países do G7 e outros trinta participantes adotem a chamada Regra de Viagem para transações com criptomoedas. Caso implementada, essa regra exigiria que exchanges de criptomoedas e demais provedores de serviços financeiros relacionados a criptos coletassem dados de identificação dos participantes em transferências de criptomoedas que superem o valor de US$ 1.000. Este procedimento tem como objetivo aumentar a transparência e combater a lavagem de dinheiro e o financiamento ao terrorismo no ecossistema de criptomoedas.

Conclusão

A regulação de criptomoedas nos países escandinavos apresenta um cenário em evolução, refletindo tanto a natureza dinâmica do setor quanto a cautela das autoridades regulatórias. Dinamarca, Suécia e Noruega compartilham a característica de não possuir legislações específicas que regulam diretamente as criptomoedas, permitindo assim a sua compra, venda e utilização em pagamentos, embora sem reconhecê-las como moeda de curso legal. Essa abordagem proporciona um terreno fértil para a inovação e o crescimento de startups de blockchain, ao mesmo tempo em que deixa espaço para futuras adaptações regulatórias.

A iminente implementação do Regulamento sobre Mercados de Criptoativos (MiCA) pela União Europeia em 2024 é um marco importante, sinalizando uma mudança significativa rumo à harmonização regulatória e à proteção do consumidor em toda a região, incluindo os países escandinavos. Esse regulamento não apenas introduzirá padrões de segurança e transparência para as operações com criptomoedas, mas também poderá estimular uma maior adoção institucional e confiança do consumidor nas criptomoedas como um todo.

Além disso, a recomendação da Força-Tarefa de Ação Financeira (FATF) para a adoção da Regra de Viagem criptográfica reforça a necessidade de um equilíbrio entre a inovação no setor de criptomoedas e a prevenção de práticas ilícitas, como a lavagem de dinheiro e o financiamento ao terrorismo.

Portanto, embora os países escandinavos possam ter começado com uma abordagem mais liberal em relação às criptomoedas, a tendência futura indica uma movimentação em direção a regulamentações mais estruturadas e coerentes. Essa evolução não só alinha os países escandinavos com as normas internacionais, mas também destaca o papel crucial das criptomoedas e da tecnologia blockchain no desenvolvimento econômico futuro, estimulando assim um crescimento seguro e sustentável no setor.

Isenção de responsabilidade: As visões e opiniões expressas pelo autor, ou qualquer pessoa mencionada neste artigo, são apenas para fins informativos e não constituem aconselhamento financeiro, de investimento ou outros. Investir ou negociar criptomoedas traz um risco de perda financeira.
Total
0
Shares

Artigos relacionados