BC.GAMEReivindique 5BTC Agora

  • Rainbet

O Que São Stablecoins Algorítmicas E Como Funcionam?

O Que São Stablecoins Algorítmicas E Como Funcionam?
BC.GAMEBCGAME - O melhor cassino, bônus diário grátis de 5BTC!BC.GAME Bônus diário grátis de 5BTC !
Cadastre-se agora

O que é uma Stablecoin Algorítmica?

As stablecoins, moedas digitais ancoradas ao dólar americano, operam em blockchain, proporcionando custos reduzidos de intermediação. Elas servem primariamente como meio de troca em transações de criptomoedas. As stablecoins visam atingir eficiência de capital, descentralização e manutenção da paridade de valor, constituindo metas centrais em seus projetos. Examinemos se as stablecoins atuais alcançam esses objetivos.

As stablecoins centralizadas são o tipo mais comum, destacando-se o Tether, que mantém uma reserva de ativos menos líquidos e papéis comerciais. Por outro lado, as stablecoins descentralizadas, lideradas pelo MakerDAO, são baseadas em sobrecolateralização. Os usuários obtêm tokens DAI mediante o depósito de garantias em criptos, geralmente Ethereum, em posições sobrecolateralizadas. Embora ofereçam descentralização, não são tão eficientes em termos de capital quanto suas contrapartes centralizadas.

A terceira variante, encabeçada pela TerraUSD, é a das stablecoins algorítmicas, que frequentemente operam com garantias subdimensionadas. Especificamente, uma stablecoin algorítmica é uma criptomoeda cuja estabilidade é mantida através de algoritmos ou contratos inteligentes, visando atenuar a volatilidade do valor de um ativo referência, como o dólar americano.

O Terra, um protocolo baseado em Cosmos, suporta várias stablecoins algorítmicas utilizando sua própria criptomoeda para manter a paridade. TerraUSD, apesar de ser um modelo mais eficiente em termos de capital, enfrenta desafios como negociação a desconto e susceptibilidade a ataques especulativos.

Então, por que as stablecoins algorítmicas são necessárias? Estas se baseiam em código transparente e auditável, potencializando a confiança dos usuários. Entender as diversas categorias de stablecoins algorítmicas, os fatores que influenciam sua performance e os riscos inerentes é crucial para aproveitar seu potencial pleno (abordaremos mais adiante).

Este texto explora a função, os diferentes tipos e a estabilidade das stablecoins algorítmicas, além de questionar sua segurança como investimento.

Como Funciona uma Stablecoin Algorítmica?

Stablecoins algorítmicas operam através de uma configuração conhecida como sistema de “duas moedas”, onde uma delas absorve a volatilidade do mercado enquanto a outra busca manter constância em relação a um valor de referência, frequentemente o dólar. O primeiro tipo de token, muitas vezes referido como token de equilíbrio ou de compartilhamento, é regularmente comercializado em exchanges descentralizadas, como Uniswap. Originalmente, o sistema Terra utilizava apenas esta metodologia de duas moedas, mas evoluiu para incorporar reservas em Bitcoin como uma forma de respaldo.

Exemplificando com a rede Terra: essa blockchain inclui o TerraUSD, que é a stablecoin, e o Luna, um token de governança. A dinâmica entre ambos tem como objetivo garantir a estabilidade do valor do TerraUSD. Quando o preço da stablecoin excede US$ 1, impulsionado pela demanda, o detentor de Luna pode realizar uma troca vantajosa, lucrando com a diferença. Analogamente, quando o valor da stablecoin decresce, a troca inversa é incentivada, reduzindo a oferta e impulsionando a estabilização do preço.

Assim, a estabilidade de uma stablecoin algorítmica repousa na expectativa de seu valor de mercado futuro, conforme descrito pela força-tarefa de criptomoedas do Banco Central Europeu.

Inicialmente, as stablecoins algorítmicas necessitam de um patamar mínimo de demanda para sustentar sua operação. Se essa demanda cai abaixo de um limiar crítico, o sistema inteiro pode colapsar. A história financeira tem exemplos de crises onde suportes percebidos não se sustentaram, como a queda significativa do token Fei em abril de 2021, que perdeu 80% do seu valor inicial.

Por último, para preservar a estabilidade no ecossistema, stablecoins algorítmicas contam com agentes independentes para executar a arbitragem necessária para manter o preço alinhado. No entanto, depender de agentes externos e motivados pelo lucro para essa função essencial introduz um elemento de risco, dado que não há obrigações legais que assegurem a continuidade dessa arbitragem.

O Que São Stablecoins Algorítmicas E Como Funcionam?

Tipos de Stablecoins Algorítmicas

As stablecoins algorítmicas são divididas em três categorias principais, detalhadas a seguir.

Stablecoins Algorítmicas com Reajuste

As stablecoins algorítmicas de reajuste, conhecidas como rebasing stablecoins, operam com tokens ERC-20 que possuem elasticidade no fornecimento. Isso significa que a quantidade total de stablecoins não permanece constante, mas é ajustada periodicamente para se aproximar de um valor de paridade predefinido, como US$ 1, através de um processo denominado rebase. Um exemplo notável é o protocolo Ampleforth, que utiliza o rebase para variar o fornecimento de seus tokens AMPL, alterando consequentemente a quantidade de tokens na carteira dos usuários a cada 24 horas, dependendo do preço médio ponderado do token.

Stablecoins Algorítmicas de Senhoriagem

O modelo de senhoriagem em stablecoins algorítmicas envolve tipicamente duas formas distintas de criptomoedas: uma stablecoin e um token de senhoriagem, muitas vezes referido como ações. Quando o preço da stablecoin excede seu valor de referência, o sistema utiliza os tokens de senhoriagem para aumentar a oferta da stablecoin. Em cenários de depreciação, estes protocolos frequentemente emitem um terceiro tipo de criptoativo, conhecido como título resgatável, para incentivar a compra e ajudar a elevar o preço de volta à paridade. O Basis Cash é um exemplo desses sistemas, operando com três tipos de criptomoedas para regular o preço de seu token BAC.

Stablecoins Algorítmicas Fracionárias

As stablecoins fracionárias representam um híbrido entre as abordagens totalmente algorítmicas e as completamente colateralizadas. Essas moedas procuram um equilíbrio entre evitar excesso de garantias e minimizar os riscos associados à custódia, mantendo uma paridade mais estrita com seu valor referência e oferecendo um nível superior de estabilidade. O Frax é um exemplo pioneiro desse tipo de stablecoin, utilizando um sistema de dois tokens: o FRAX, que é a stablecoin mantendo a paridade com US$ 1, e o FXS, que funciona como token de governança.

Leia também:   O que é Dogwifhat coin? Onde comprar WIF criptomoeda meme

Prós e Contras de Stablecoins Algorítmicas

A inovação em produtos financeiros pode ser uma faca de dois gumes, e dentro do cenário das criptomoedas, as stablecoins algorítmicas representam uma dessas inovações audaciosas, mas potencialmente instáveis. Este segmento procura elucidar a estabilidade real dessas criptomoedas por meio de uma análise de seus aspectos positivos e negativos.

Prós das Stablecoins Algorítmicas

A característica mais distintiva das stablecoins algorítmicas é sua verdadeira descentralização, na qual o código, não uma entidade regulatória, governa as operações. Isso confere um grau de autonomia e discrição nas transações que não é comum em outros veículos financeiros. A ausência de ativos tangíveis necessários para a operação dessas stablecoins elimina diversos riscos associados ao erro humano.

Esses ativos também revitalizam o conceito de senhoriagem no âmbito digital, permitindo que os usuários avaliem os lucros ou perdas na emissão de novas unidades monetárias dentro do ecossistema descentralizado.

Contras das Stablecoins Algorítmicas

No entanto, essas moedas digitais enfrentam críticas significativas quanto à sua estabilidade. Sua arquitetura baseada em algoritmos e engenharia financeira as deixa suscetíveis a instabilidades e vulneráveis a riscos de descentralização.

Três desafios principais permeiam as stablecoins algorítmicas. Primeiramente, elas dependem intrinsecamente de uma demanda mínima constante para manterem-se funcionais. Caso essa demanda decline além de um ponto crítico, o sistema pode colapsar. Em segundo lugar, a estabilidade destas moedas está na dependência de investidores independentes e motivados para realizar arbitragem, mantendo-as atreladas ao seu valor de referência. Por fim, em períodos de incerteza ou crise, informações ambíguas e reações em massa podem levar a uma depreciação rápida e significativa do valor da stablecoin.

Um caso exemplar é o da Terra stablecoin (UST), que utiliza um modelo de senhoriagem de dois tokens. No entanto, uma desvalorização maciça ocorreu quando a UST desvinculou-se de sua paridade com o dólar. A tentativa de restabelecer essa paridade envolveu manobras de mercado que, paradoxalmente, resultaram em mais pressão de venda e desvalorização.

Resumindo, o episódio de desestabilização do UST levou a um aumento na oferta de LUNA, depreciando seu valor e provocando um colapso sistêmico no ecossistema Terra. O evento suscitou um clamor global por regulamentações mais estritas das stablecoins algorítmicas para prevenir futuros colapsos no mercado de criptomoedas.

O Que São Stablecoins Algorítmicas E Como Funcionam?

As Stablecoins Algorítmicas são Seguras?

No universo financeiro das stablecoins, que ainda carece de regulação abrangente, investir nessas moedas digitais traz consigo o risco de desvalorização e susceptibilidade a ataques especulativos, especialmente em casos de subcolateralização. O risco se intensifica quando o valor das stablecoins está vinculado ao token de governança do blockchain correspondente.

É imperativo que investidores conduzam uma análise detalhada e compreendam os fundamentos e os indicadores técnicos do token em questão antes de se aventurar em investimentos em stablecoins ou outras criptomoedas.

Para assegurar a estabilidade de stablecoins como o TerraUSD, é vital que estas sejam respaldadas por garantias confiáveis, idealmente em reservas líquidas de dólares americanos ou suas equivalentes em stablecoins no blockchain. Outra estratégia envolve o emprego de contratos inteligentes para assegurar um excesso de colateral, de modo que, se a proporção entre a colateral e a stablecoin declinar abaixo de um nível crítico, o sistema automaticamente proceda com a liquidação para preservar a estabilidade e garantir a paridade.

Ademais, é crucial reconhecer que a colateralização é um pilar para a estabilidade de qualquer stablecoin. A perda de confiança na iniciativa ou quaisquer adversidades impactando as garantias subjacentes pode desestabilizar a economia da stablecoin. Uma depreciação no valor da colateral pode ocasionar uma redução correspondente no valor da stablecoin, levando a um cenário semelhante ao de uma corrida bancária.

Entender a interação entre os diversos componentes é fundamental, pois uma plataforma de stablecoin representa uma complexa rede de elementos interconectados. A falha em um único componente pode ter efeitos cascata, exacerbando-se mutuamente, principalmente se as responsabilidades e obrigações não estiverem bem definidas. Sem uma garantia sólida para respaldar a stablecoin, os usuários enfrentam o risco de perder seus investimentos se o valor da moeda colapsar. Portanto, é essencial uma avaliação cautelosa ao investir em qualquer projeto de stablecoin algorítmica.

Conclusão

As stablecoins algorítmicas representam uma inovação notável no universo das criptomoedas, combinando tecnologia de blockchain com algoritmos complexos para criar moedas digitais estáveis. Através de mecanismos como reajuste, senhoriagem e colateralização fracionária, elas buscam manter a paridade com ativos tradicionais, como o dólar americano, proporcionando uma alternativa descentralizada e flexível às moedas convencionais.

Contudo, apesar da promessa de estabilidade e eficiência, as stablecoins algorítmicas enfrentam desafios significativos. A complexidade de seus sistemas, a necessidade de manutenção constante da demanda, a vulnerabilidade a ataques especulativos e as implicações de uma regulamentação ainda em formação são aspectos que os investidores devem considerar cuidadosamente.

Portanto, enquanto representam um avanço fascinante e têm o potencial de transformar as finanças digitais, as stablecoins algorítmicas requerem um entendimento profundo de sua mecânica, riscos e o ambiente regulatório em evolução. Investidores e usuários devem proceder com cautela, armados com pesquisa e conhecimento, para navegar neste território inovador, mas incerto, das finanças digitais.

Isenção de responsabilidade: As visões e opiniões expressas pelo autor, ou qualquer pessoa mencionada neste artigo, são apenas para fins informativos e não constituem aconselhamento financeiro, de investimento ou outros. Investir ou negociar criptomoedas traz um risco de perda financeira.
Total
0
Shares

Artigos relacionados