BC.GAMEReivindique 5BTC Agora

  • Rainbet

MiCA: Regulamentação Dos Mercados De Criptoativos Explicada

MiCA: Regulamentação Dos Mercados De Criptoativos Explicada
BC.GAMEBCGAME - O melhor cassino, bônus diário grátis de 5BTC!BC.GAME Bônus diário grátis de 5BTC !
Cadastre-se agora

Na última década, observou-se uma ascensão significativa na adoção de criptomoedas e ativos digitais. A expansão acelerada da aplicabilidade da tecnologia blockchain, juntamente com a introdução de novas criptomoedas, revolucionou o panorama financeiro mundial.

Devido à escassa regulamentação que envolve as criptomoedas, surge a preocupação de que o setor possa se desenvolver em um ambiente desregulado, assemelhando-se a um território sem lei. É crucial a implementação de normas regulatórias para ativos digitais com o objetivo de proteger os investidores, assegurar a aderência às exigências dos órgãos reguladores financeiros e prevenir desastres como os colapsos da Terra, Celsius e FTX.

A União Europeia destacou-se ao ser a primeira grande jurisdição a estabelecer legislação detalhada e específica para o setor com a introdução do Regulamento dos Mercados de Criptoativos (MiCA), previsto para ser integralmente implementado em 2024.

O MiCA, proposto inicialmente em setembro de 2020 e ratificado pelo Parlamento Europeu em abril de 2023, tem como objetivo marcar o início de uma nova fase na regulamentação de ativos digitais, enfatizando a importância crescente deste setor no ambiente financeiro.

Este artigo aborda o MiCA, seu alcance e o potencial impacto no universo das criptomoedas.

O que é a regulamentação dos mercados de criptoativos?

Inserido na Estratégia de Financiamento Digital da Comissão Europeia, o MiCA inclui uma proposta legislativa que estabelece um regime experimental para o teste de soluções de negociação e liquidação de serviços financeiros por meio da tecnologia de registro distribuído.

O MiCA é aplicável a todos os tipos de ativos digitais, incluindo valores mobiliários e dinheiro eletrônico, que atualmente não estão cobertos pela legislação financeira tradicional da UE. Abrange igualmente todos os fornecedores de serviços de criptoativos (CASPs) que operam no mercado europeu, independentemente do local de sua constituição ou registro.

Este marco regulatório visa a proteção dos investidores, a prevenção do uso indevido de criptoativos, o fornecimento de clareza regulatória, a manutenção da estabilidade financeira e a proteção contra manipulação e abuso de mercado. A legislação é vista como um estímulo à inovação, dado o panorama de incertezas no setor de ativos digitais.

Além disso, o MiCA busca assegurar a aderência às normas de combate à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo, promovendo a conformidade com padrões operacionais e de governança, diminuindo o risco de utilização de criptoativos em atividades ilícitas.

Anteriormente ao MiCA, as entidades de criptoativos que operavam na UE necessitavam navegar por um labirinto de regulamentações específicas de 27 diferentes nações. O MiCA simplifica este cenário ao abolir a necessidade de múltiplas regulamentações nacionais, introduzindo um sistema unificado de licenciamento pela UE, o que proporciona uma clareza legal sem precedentes para o setor de criptoativos europeu.

Cronograma de implementação

Publicado no Jornal Oficial da União Europeia em 9 de junho de 2023, o MiCA entrou em vigor 20 dias após sua publicação. Contudo, o período para a implementação completa de todas as suas exigências está previsto para 30 de dezembro de 2024, com algumas disposições, particularmente aquelas relacionadas a stablecoins, previstas para entrar em vigor em 30 de junho de 2024.

Âmbito de Aplicação

Conforme delineado no resumo regulatório do MiCA, um ativo digital é definido como uma representação digital de valor ou direitos, que pode ser transferida e armazenada de forma eletrônica, utilizando tecnologia de registro distribuído (DLT) ou tecnologia similar. A legislação segmenta os ativos digitais em três principais categorias, variando os requisitos conforme a metodologia adotada pelo ativo para estabilizar seu valor em relação a outros ativos.

Tokens de dinheiro eletrônico (EMTs) são tipos de ativos digitais projetados para preservar seu valor fazendo referência a uma moeda oficial única. Para que um EMT cumpra sua função como substituto do dinheiro eletrônico, ele deve atender a critérios regulatórios específicos, como a capacidade de resgate pelo valor nominal em moeda corrente.

Tokens referenciados a ativos representam criptomoedas que se baseiam em outros valores ou direitos, ou uma combinação destes, incluindo uma ou mais moedas oficiais, para assegurar a estabilidade de seu valor. Esta classificação abrange qualquer criptomoeda cujo valor é lastreado por ativos, diferenciando-se dos EMTs.

A terceira categoria engloba criptomoedas que não se enquadram nas definições de dinheiro eletrônico ou tokens referenciados a ativos, como os tokens utilitários. Distintamente dos tokens considerados valores mobiliários, esses ativos não são classificados como instrumentos financeiros pelo arcabouço regulatório da Diretiva dos Mercados de Instrumentos Financeiros (MiFID II).

O MiCA visa preencher as lacunas existentes na regulamentação de criptomoedas, sem interferir nas normativas de ativos digitais que já se encontram sob o escopo de outras legislações da União Europeia.

Importante ressaltar que o MiCA não se aplica a todos os tokens não fungíveis (NFTs). A legislação será relevante para NFTs somente quando estes compartilharem características indiscutíveis com ativos sujeitos ao MiCA. Caso um NFT seja verdadeiramente único, a lei não se aplicará.

Da mesma forma, o regulamento exclui atividades de organizações autônomas descentralizadas e de finanças descentralizadas (DeFi), desde que essas operações sejam efetivamente descentralizadas. Dessa forma, aplicações descentralizadas estão fora do escopo do MiCA.

MiCA: Regulamentação Dos Mercados De Criptoativos Explicada

Regulamentação de Emissores de Criptoativos

Emissores de criptomoedas, exceto por aqueles de ARTs e EMTs, não necessitam de uma autorização específica para realizar emissões. Contudo, uma exigência fundamental do MiCA é que, antes da emissão de um token ao público ou de sua listagem em uma exchange de criptomoedas, os emissores devem disponibilizar white papers. Estes documentos funcionam como prospectos, fornecendo informações essenciais sobre os ativos digitais aos potenciais investidores.

Adicionalmente, o MiCA assegura aos investidores varejistas o direito de rescindir a compra dentro de um período de 14 dias, caso o ativo digital adquirido não tenha sido previamente negociado em uma exchange de criptomoedas.

Regulação para Emissores de ARTs e EMTs

O regulamento MiCA estabelece diretrizes mais rigorosas para as stablecoins, particularmente para os emissores de EMTs (Tokens de Dinheiro Eletrônico) e ARTs (Tokens Referenciados a Ativos), em resposta às preocupações com a soberania monetária e a estabilidade financeira.

Leia também:   O que é GeckoTerminal App e Como funciona?

De forma geral, aqueles que pretendem emitir ARTs ou EMTs na União Europeia devem obter autorização prévia antes de promover ou listar esses ativos no mercado. Essa autorização deve partir do próprio emissor, salvo se este delegar expressamente a outrem por meio de um consentimento formal escrito.

Somente instituições de crédito ou instituições de moeda eletrônica licenciadas podem ofertar ou listar EMTs após notificar seu órgão regulador competente e divulgar o respectivo documento informativo (white paper).

Para a aprovação de ARTs, os emissores devem estar estabelecidos na União Europeia. Diferentemente de outros tokens sob a égide do MiCA, é necessário notificar as autoridades competentes e submeter o documento informativo para aprovação antes de sua divulgação.

Embora o termo “stablecoin” não seja explicitamente mencionado no MiCA, tanto os ARTs quanto os EMTs podem ser considerados como stablecoins “significativos” pela Autoridade Bancária Europeia (EBA), com base em critérios predefinidos. Quando classificados como significativos, esses ativos estão sujeitos a exigências regulatórias adicionais e disposições especiais.

Regulação dos Provedores de Serviços de Criptoativos (CASPs)

O MiCA também introduz um marco regulatório para os Provedores de Serviços de Criptoativos (CASPs) e os serviços associados. Os CASPs são entidades ou organizações que oferecem profissionalmente um ou mais serviços relacionados a criptoativos para seus clientes.

Sob as diretrizes do MiCA, os CASPs necessitam de autorização para operar legalmente dentro da União Europeia.

Os serviços abrangidos incluem a custódia e administração de criptoativos por conta de terceiros, a conversão de criptoativos por moeda fiduciária ou outros criptoativos, a operação de plataformas de negociação de criptoativos, a execução de ordens em nome de terceiros, e a colocação de criptoativos no mercado.

Serviços adicionais englobam a transferência de criptoativos, consultoria sobre investimentos em criptoativos, recebimento e transmissão de ordens de criptoativos, e a gestão de portfólios de criptoativos.

Para serem elegíveis à autorização sob o MiCA, as entidades devem ter pelo menos um diretor residente na União Europeia e estabelecer sua sede social ou principal local de negócios dentro do território da UE.

O MiCA detalha um conjunto abrangente de normas de governança, requisitos de capital e transparência que os CASPs devem cumprir.

Os CASPs autorizados podem exercer o “passaporte” de sua autorização para operar em outros Estados-Membros da UE. Sem um regime específico para países terceiros, os prestadores de serviços externos à UE devem recorrer à solicitação reversa para oferecer serviços de criptoativos aos residentes europeus.

Os CASPs atingem a classificação de significativos (sCASP) automaticamente quando seu número médio anual de usuários ativos na UE supera 15 milhões. Esses CASPs significativos estão sujeitos a uma supervisão e monitoramento intensificados por parte das Autoridades Nacionais Competentes.

O MiCA exige que os CASPs atuem de maneira honesta, justa e profissional, sempre no melhor interesse de seus clientes, promovendo práticas de marketing e informações transparentes e não enganosas. É mandatório que os potenciais investidores sejam plenamente informados sobre os preços, riscos e impactos ambientais dos criptoativos.

Entidades com status regulatório pré-existente, como instituições financeiras e empresas de investimento, podem fornecer serviços específicos de criptoativos, desde que notifiquem as autoridades reguladoras competentes.

Integridade do Mercado e Prevenção de Abusos

O regulamento MiCA institui um conjunto de normas para assegurar a integridade do mercado de criptoativos na União Europeia e evitar práticas abusivas. Essas normativas proíbem explicitamente atividades como o comércio baseado em informações privilegiadas, a divulgação não autorizada de informações sigilosas e qualquer ato que possa interferir ou manipular de maneira indevida o funcionamento dos mercados de criptoativos.

Supervisão e Controle

Sob o escopo do MiCA, serão estabelecidos dois principais organismos reguladores em nível europeu: a Autoridade Europeia dos Valores Mobiliários e dos Mercados (AEVMM) e a Autoridade Bancária Europeia (EBA). Paralelamente, cada Estado-Membro terá a responsabilidade de designar sua própria autoridade reguladora nacional para executar e fazer cumprir a legislação da UE no âmbito nacional.

No cenário de infrações às normativas estipuladas, as autoridades reguladoras nacionais estarão capacitadas para aplicar sanções apropriadas e outras medidas administrativas, incluindo em contextos onde já existam penalidades criminais previstas pela legislação dos Estados-Membros.

Conclusão

A implementação do Regulamento dos Mercados de Criptoativos (MiCA) representa um marco significativo na jornada para um ambiente de criptoativos mais seguro e regulado dentro da União Europeia. Ao introduzir um conjunto abrangente de normas e requisitos, o MiCA visa estabelecer um equilíbrio entre o fomento da inovação e a proteção dos investidores, garantindo ao mesmo tempo a integridade do mercado e mitigando riscos associados a práticas abusivas.

Com a designação de autoridades reguladoras a nível da UE e nacional, o MiCA proporciona um quadro de supervisão robusto, assegurando que as operações dentro do mercado de criptoativos sejam realizadas de forma transparente e justa. Este regulamento não só aborda desafios prementes como a prevenção de abuso de mercado, a manipulação e o uso indevido de informações privilegiadas, mas também estabelece padrões claros para a emissão e prestação de serviços relacionados a criptoativos.

Ao exigir que os emissores de criptoativos e os provedores de serviços de criptoativos cumpram requisitos rigorosos, incluindo a autorização prévia e a divulgação de informações através de white papers, o MiCA oferece uma camada adicional de segurança aos investidores. Além disso, ao abordar especificamente as stablecoins e estabelecer requisitos específicos para emissores e provedores de serviços significativos, o regulamento reflete a importância de abordar os riscos sistêmicos potenciais que esses ativos podem representar para a estabilidade financeira.

Em suma, o MiCA é um passo audacioso e necessário para regular o espaço das criptomoedas, alinhando-se com os esforços globais para trazer clareza e segurança a um setor em rápida evolução. Enquanto a União Europeia se posiciona na vanguarda da regulamentação de criptoativos, o sucesso do MiCA poderá servir de modelo para iniciativas regulatórias em outras jurisdições, promovendo um ecossistema global de criptoativos mais estável, seguro e inovador.

Isenção de responsabilidade: As visões e opiniões expressas pelo autor, ou qualquer pessoa mencionada neste artigo, são apenas para fins informativos e não constituem aconselhamento financeiro, de investimento ou outros. Investir ou negociar criptomoedas traz um risco de perda financeira.
Total
0
Shares

Artigos relacionados