BC.GAMEReivindique 5BTC Agora

  • Rainbet

A Evolução da Educação em Cripto

A Evolução da Educação em Cripto
BC.GAMEBCGAME - O melhor cassino, bônus diário grátis de 5BTC!BC.GAME Bônus diário grátis de 5BTC !
Cadastre-se agora

O início do Bitcoin catalisou uma nova era na criptografia, dando início a uma busca por conhecimento na tecnologia blockchain. 

Os primeiros usuários se reuniram on-line, trocando ideias e solucionando problemas juntos. Com a evolução do cenário das criptomoedas, surgiu uma infinidade de materiais educacionais, incluindo tutoriais, whitepapers e cursos. 

Universidades como a Universidade de Nicósia iniciaram o ensino formal de blockchain por volta de 2013, introduzindo legitimidade acadêmica ao campo. Esse desenvolvimento representou uma dicotomia intrigante: o espírito de aprendizagem inicial voltado para a comunidade versus o reconhecimento acadêmico formalizado emergente. 

A educação em blockchain de hoje enfrenta uma questão fundamental sobre a função e o valor do credenciamento em um setor tradicionalmente autossustentável.

Época em que estudávamos cripto por conta própria

Nos primórdios do Bitcoin, Satoshi Nakamoto estabeleceu o bitcoin.org e o bitcointalk.org como recursos primários para os primeiros usuários, que continuam sendo vitais para a educação em blockchain. 

Essas plataformas, juntamente com o Bitcoin Wiki, apoiadas pela comunidade, ofereciam informações abrangentes, desde guias para iniciantes até recursos para desenvolvedores. À medida que o Bitcoin crescia, a comunidade expandia suas modalidades de aprendizado, estabelecendo encontros e aproveitando os primeiros podcasts, como o The Bitcoin Show e o Let’s Talk Bitcoin! para a disseminação do conhecimento. 

A Khan Academy contribuiu com vídeos educativos, atendendo às necessidades educacionais de uma comunidade em rápida expansão. Esses esforços não foram motivados apenas pela curiosidade, mas por uma necessidade, equipando o movimento em expansão para crescer junto com o surgimento das altcoins em 2011. 

A era inicial de autoeducação da comunidade lançou as bases para uma base de conhecimento abrangente e descentralizada que impulsionou o setor.

A criação de altcoins levou a mais materiais educacionais

O advento de altcoins como Namecoin e Litecoin, as primeiras bifurcações do Bitcoin, expandiu o ecossistema de criptomoedas técnica e volumetricamente. À medida que o setor crescia, também crescia a busca por conhecimento, com o Bitcoin Wiki, o Bitcointalk e o bitcoin.org deixando de ser as únicas fontes de informação. 

O campo começou a atrair desenvolvedores, empreendedores e entusiastas sérios que viam potencial nas aplicações mais amplas da blockchain, o que levou à necessidade de recursos educacionais mais sofisticados.

A Bitcoin Magazine, fundada por Mihai Alisie e Vitalik Buterin em 2011, tornou-se a principal publicação do setor, oferecendo notícias, guias e artigos sobre o mercado de criptomoedas. Ela marcou o crescimento tangível e a legitimidade no espaço, semelhante à Forbes ou à Wired para o setor de cripto. Simultaneamente, surgiu a Bitcoin Foundation, com o objetivo de padronizar e promover o uso do Bitcoin globalmente, dando ao movimento sua primeira representação organizada.

O ano de 2012 foi decisivo, com novas moedas, publicações como a Bitcoin Magazine e organizações como a Bitcoin Foundation indicando uma mudança em direção à aceitação geral. Figuras como Andreas Antonopoulos tornaram-se evangelistas importantes, educando as massas por meio de conferências, escritos e livros como “Mastering Bitcoin” e “The Internet of Money”.

Nesse setor autodidata, o white paper Ethereum de Buterin, financiado pela Thiel Fellowship, abriu caminho para contratos inteligentes e aplicativos descentralizados (dApps), revolucionando a utilidade da blockchain. Com a defasagem da educação formal, os cursos de certificação on-line de instituições como o CryptoCurrency Certification Consortium, com Antonopoulos e Buterin, e outros programas começaram a estabelecer referências educacionais.

À medida que a tecnologia blockchain ganhou atenção do grande público, universidades e faculdades iniciaram cursos sobre finanças, direito e desenvolvimento de criptomoedas, remodelando a credibilidade e o cenário educacional do espaço das criptomoedas. 

O crescimento do setor exigiu uma redefinição do significado do conhecimento e do credenciamento em um reino anteriormente autossustentável e descentralizado.

Adição da blockchain aos currículos tradicionais

Em 2014, o crescimento do movimento cripto despertou o interesse acadêmico, levando as universidades dos EUA a integrar currículos com foco em blockchain. Inicialmente, o ensino de blockchain era principalmente on-line, com a IBM e a Linux Foundation oferecendo cursos de certificação. Princeton e o MIT contribuíram com um curso do Coursera e diferentes recursos, respectivamente.

Leia também:   MYRO, a Nova Sensação Meme Solana, Pode Alcançar US$ 1, Diz Especialista

Universidades como Vanderbilt, Cornell, Johns Hopkins, NYU, Duke e Stanford começaram a oferecer aulas de blockchain e criptomoedas. O CS251 de Stanford, liderado pelo professor Dan Boneh, ensina operações de blockchain e desenvolvimento de contratos inteligentes, mostrando a natureza multifacetada do ensino de blockchain, que pode variar de tecnologia a direito e economia.

O curso da NYU Stern School of Business, “Digital Currency, Blockchains and the Future of Financial Services”, aplica essas tecnologias a serviços financeiros, enquanto o curso I&E 550: Innovation and Cryptoventures, da Duke University, ministrado pelo professor Harvey Campbell, combina aspectos técnicos e aplicados, atraindo um corpo discente diversificado.

As matrículas nesses cursos aumentaram com a ascensão do mercado de criptografia; a turma de Campbell cresceu significativamente e a NYU teve que se mudar para acomodar o interesse. Apesar do alarde, o currículo foi prontamente adotado pelo meio acadêmico. Professores como Boneh encontraram apoio para esses novos cursos, mesmo entre aqueles que aprovaram o currículo.

O crescente interesse na educação em fintech reflete uma demanda mais ampla do setor. Campbell sugere que cursos de diferentes áreas, como cadeia de suprimentos, contabilidade, marketing, finanças, direito e ciência da computação, incorporem a tecnologia blockchain.

Manter o conteúdo do curso atualizado é um desafio devido à rápida evolução do setor. Professores como Yermack atualizam anualmente os programas de estudo, e Boneh frequentemente reconstrói seu curso, indicando a natureza dinâmica da tecnologia blockchain no meio acadêmico. Alguns educadores hesitam em investir em um tópico potencialmente transitório, mas defensores como Boneh afirmam a permanência da tecnologia e a necessidade de uma educação abrangente.

Advento da “qualificação em cripto”

A transição de um nicho cypherpunk para o meio acadêmico marca uma evolução significativa para a tecnologia blockchain. Os professores agora lideram uma nova fronteira da educação formal, refinando e esclarecendo os conceitos esotéricos da blockchain para um público mais amplo. As instituições acadêmicas são fundamentais para a formação de inovadores, trazendo uma profundidade de compreensão que complementa as possíveis lacunas do autoestudo.

Campbell reconhece a complexidade da blockchain e o papel das universidades na dissipação de conceitos errôneos. Boneh vê sua função como essencial para orientar os alunos em meio à grande quantidade de informações disponíveis on-line, com o objetivo de fornecer um conhecimento abrangente. Yermack diferencia os cursos universitários dos recursos on-line em termos de profundidade e rigor, contribuindo para a legitimidade do campo.

O estabelecimento de padrões acadêmicos em um setor que prosperou com a educação informal leva a uma reflexão sobre o significado de “educação credenciada”. Embora pioneiros como Buterin não exigissem diplomas, a integração da educação formal não se opõe necessariamente às raízes do setor. Em vez disso, ela se baseia nelas, com cursos que ainda dependem de trabalhos fundamentais como “Mastering Bitcoin” de Antonopoulos e a pesquisa de Szabo sobre contratos inteligentes.

Outro grande exemplo é o Patex Campus, uma plataforma de alfabetização em cripto desenvolvida pela gigante latino-americana de blockchain, Patex. Ela se empenha em educar os latino-americanos para que se beneficiem das finanças descentralizadas e aliviem a pressão da inflação e outros obstáculos econômicos da região. Além de ensinar os usuários da Web2 a realizar transações em BTC, os alunos da plataforma terão uma chance única de obter um diploma e uma certificação e seguir uma carreira no campo das criptomoedas.

Esse novo caminho acadêmico não substitui o modo original, mas o amplia, oferecendo aprendizado estruturado para aqueles que precisam dele. Os recursos educacionais formais e informais são essenciais, cada um deixando uma marca distinta na revolução tecnológica em andamento.

Isenção de responsabilidade: As visões e opiniões expressas pelo autor, ou qualquer pessoa mencionada neste artigo, são apenas para fins informativos e não constituem aconselhamento financeiro, de investimento ou outros. Investir ou negociar criptomoedas traz um risco de perda financeira.
Total
0
Shares

Artigos relacionados